O Miguel ainda se lembra da carrinha dos gelados Family Frost, da altura em que estava na escola secundária, perto de Sesimbra.
Era inevitável saberes que ela vinha, mesmo que ainda estivesse lá ao longe, só pela musiquinha de circo que vinha a bombar pelas colunas de som, enquanto ela percorria as ruas imediatamente junto à cerca dos limites da escola, durante os intervalos mais longos.
Claro, aquela música fantasmagórica (e, de certa forma, contagiante) viria a ganhar um lugar cativo nas memórias de adolescência do Miguel. E ele nem gostava da porra dos gelados. Todos feitos só de gelo, tipo calippo mas bem pior, nem sabor a coca-cola tinham.

Anyway.. passado todo este tempo (hoje em dia, o Miguel tem quase 43 anos), ele não conseguiu evitar que memórias dessa carrinha dos gelados viessem ao de cima novamente…
Isto porque há alguns meses, quase acabados de chegar a Taiwan, não demorámos muito a dar com uma parte especial (especial para nós, pelo menos) da rotina diária que serviu quase de máquina do tempo para o Miguel. É que acontece que Taiwan tem as suas próprias carrinhas musicais (ou neste caso, camiões), ainda que estas se movimentem em função de algo um pouco menos agradável que gelados.. falamos de camiões do lixo.

Sim, Taiwan recolhe o lixo dos seus cidadãos ao som de música clássica (numa versão monofónica da coisa). Por termos ajudado em vários hostels/guesthouses em vários sítios durante os nossos dois meses na Ilha Formosa, tivemos que ir deitar o lixo fora algumas vezes, mas mesmo que não tivéssemos, na maior parte dos dias é muito comum dar com um destes camiões amarelos (ou verdes) a passar numa rua mais ou menos principal da cidade. Ou se não os vemos, pelo menos ouvimo-los a passar ao longe, a dar aquela banda sonora muito culta ao nosso dia-a-dia. A única música que nos lembramos de ouvir é polaca e o nome em inglês é “A Maiden’s Prayer” — vocês devem-na conhecer, é aquela assim tipo “🎵 tu-tu-tu-tu-tu-tuuu 🎵 da da da da-da 🎵 tu-tu-tu-tu-tu-tuuu 🎵 da-daa da-daa 🎵” — mas pelo que percebemos já foi mais comum ouvir a “For Elise” do Beethoven (esta é mais assim 🎵ti-tu ti-tu ti-tu ti-tu-tuuu 🎵ta-ta ta-taaa ta-ta ta-taaa 🎵” e por aí adiante).
Seja qual for a música, toca todo o dia a toda a hora, pelo que poderíamos apostar que todos os senhores e senhoras que trabalham nos camiões do lixo em Taiwan devem estar muito contentes por terem mais uma razão para resistir ao impulso de vomitar no seu local de trabalho… coitados dos moços e das moças 😐

Se calhar por esta altura estarão a perguntar-se a vós próprios, “porque razão haveriam os camiões do lixo de tocar música clássica durante as suas rondas pelas ruas da cidade? Será para entretenimento da população? Ou talvez seja uma estratégia do governo para aumentar a cultura musical do pessoal..?”
Bem.. nah, nem por isso. Embora essas fossem razões fixes também, sim. Mas basicamente tem que ver com o facto de em Taiwan não haver aqueles grandes e mal-cheirosos contentores do lixo em esquinas e passeios um pouco por toda a cidade, como nós vemos em Portugal, por exemplo. As pessoas têm o seu lixo em casa, e todos os dias a uma hora fixa os camiões do lixo fazem a sua ronda, tocando a bela da música clássica. Residentes por todo o lado ouvem-na de dentro das suas casas, e simplesmente trazem os seus lixos para a rua, para que possam atirar eles mesmos cada saco para a parte de trás do camião, ou passá-los ao funcionário que lá vai pendurado. Disseram-nos também que é suposto ninguém deixar o seu lixo tocar no chão enquanto está na rua, por motivos de higiene (provavelmente os mesmos motivos pelos quais não querem ter contentores cheios de lixo por toda a cidade).
Tem piada porque o acto de vir à rua e deitar o lixo fora acaba por se tornar mais uma razão para socializar com os vizinhos.

Claro que a atenção de Taiwan ao processo da recolha do lixo não se fica pelo lixo orgânico. Todas as cidades têm os seus dias fixos para recolha da reciclagem, e os cidadãos estão conscientes de que tipo de lixo devem trazer para a rua em cada dia da semana. Um funcionário na parte traseira do camião dá uma vista de olhos rápida pelos sacos de cada pessoa, e dá o toque que for necessário.
A não ser, claro, que a pessoa em questão seja um estrangeiro ignorante que não sabe como fazer a reciclagem… 😔 SAD

Outros posts que vos podem interessar
Deixar um comentário ao post

2 Comments

  1. MJP

    Muito fixe! e bem útil para ser lido pelos serviços urbanos desta País! e também desta nossa bela Sesimbra!!!……

    Reply
    • HWTW

      Obrigado Manel Zé!

      Também a achámos uma solução genial que todo o Mundo deveria pensar em adoptar 👍 😉

      Reply

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado.